Notícias

Os médicos estão doentes

Os médicos estão doentes

O que leva alguém que teria de salvar a vida dos outros a querer acabar com a própria

Paulo Castro* escolheu comemorar seu aniversário de um jeito diferente. O médico de família não quis passar a data com parentes ou amigos. Preferiu ficar sozinho, em um hotel de luxo de Porto Alegre, cidade onde morava. Assim que se hospedou, pediu uma garrafa de champanhe. Mas em vez de fazer um brinde para celebrar a vida, ele decidiu que havia chegado o momento de acabar com ela. Tomou o espumante com uma grande quantidade de comprimidos e fechou os olhos para morrer. Ele ainda não havia completado 30 anos.

Histórias como essa, cada vez mais frequentes em todo o mundo, refletem uma realidade alarmante: a cabeça dos médicos não anda bem. Só nos Estados Unidos, entre 300 e 400 tiram a própria vida todos os anos, segundo a Fundação Americana para a Prevenção do Suicídio. Praticamente uma morte por dia. "Estudos recentes têm apontado uma cifra três vezes maior de suicídio entre médicos, comparada à população em geral", diz Alexandrina Meleiro, doutora em psiquiatra do Instituto de Psiquiatria da USP (Universidade de São Paulo). No Brasil, embora não existam pesquisas de abrangência nacional que contabilizem os casos, há cada vez mais médicos que dão entrada nos serviços de emergência de hospitais por tentativa de suicídio.

Confira o especial em: https://tab.uol.com.br/medicos-suicidio

 

 624
(0 votos)
   
   

logo IBROSS
  Filiada ao Instituto Brasileiro das
  Organizações Sociais de Saúde (IBROSS)

Contato | Newsletter

Rua Dr. Diogo de Faria, 1036 | Vila Clementino
Cep: 04037-003 | Telefone: (11) 5549-7032