Banner Doacao

Notícias

Unidades da SPDM participam de estudo sobre possibilidade de lesões oculares em pacientes com Covid-19

Unidades da SPDM participam de estudo sobre possibilidade de lesões oculares em pacientes com Covid-19

Casos da enfermaria do Hospital SP e da Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Municipal de Barueri serviram como base para a pesquisa 

O Hospital São Paulo e o Hospital Municipal de Barueri Dr. Francisco Moran (HMB), unidade da Prefeitura de Barueri gerenciada em parceria com a SPDM - Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina, participaram de mais um estudo científico sobre a Covid-19. Desta vez, o assunto é a visão, já que pacientes acometidos pela doença podem apresentar leves alterações ou graves lesões nos olhos.

Nos primeiros meses de 2020, o grupo de estudo, coordenado pelo Prof. Dr. Rubens Belfort Jr, professor titular de oftalmologia da Escola Paulista de Medicina e presidente da Academia Nacional de Medicina (ANM), notou modificações na retina de alguns profissionais de saúde que tiveram a forma leve de Covid-19, e publicou o primeiro artigo do mundo sobre alterações oftalmológicas relacionadas ao coronavírus. Essas alterações eram consideradas leves e não tinham acometimento na visão, mas demonstravam que o olho poderia ser um dos locais atingidos pelo estado inflamatório que o vírus causa no corpo. 

“Depois da publicação de maio, em que notamos infartos da camada de fibras nervosas da retina e pequenas hemorragias, ampliamos o estudo e decidimos examinar casos mais graves porque a nossa hipótese principal era que os pacientes que tiveram a forma mais grave da Covid-19 teriam maior acometimento da retina. Essa hipótese foi confirmada e, assim, começa a participação do HMB. Como eu coordeno a parte de oftalmologia do hospital há alguns anos, nós fizemos o exame de fundo de olho para avaliar a retina dos pacientes com Covid-19 que estavam internados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI)”, explica Heloísa Nascimento, coordenadora de oftalmologia do HMB. 

O estudo, feito entre março e junho de 2020 em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), foi desenvolvido com 60 pacientes internados na Unidade de Terapia Intensiva do HMB e com 44 pacientes de enfermaria do Hospital São Paulo. Dos 104 pacientes participantes, 21,9% apresentaram lesões oculares e 3%, lesões que comprometiam a visão. 

“Mais de 20% demonstraram sinais de trombose no olho, ou seja, o sangue ficou mais espesso, e como a circulação da retina é muito fina tem maior chance de ter acidentes vasculares e pequenas tromboses, entretanto apenas 3% tinham alterações que poderiam piorar a visão porque a trombose foi em uma área nobre da retina, por onde a gente realmente enxerga”, esclarece a oftalmologista. 

Em março de 2021, o tema foi aceito para publicação na revista médica Ocular Immunology and Inflammation Journal, e por isso teve grande repercussão. É importante ressaltar que o estudo ainda está em andamento e que os pacientes continuam em acompanhamento para avaliar a evolução do quadro. "Percebemos que o olho, assim como o restante do corpo, também está suscetível a sofrer as consequências do novo coronavirus. Mas, ainda não sabemos se essas consequências são um dano direto do vírus no olho ou se é causado pelo estado inflamatório gerado pelo vírus que facilita as tromboses ao longo do corpo inteiro”, comenta Nascimento.

 269
(0 votos)
   
   

logo IBROSS
  Filiada ao Instituto Brasileiro das
  Organizações Sociais de Saúde (IBROSS)

Contato | Newsletter

Rua Dr. Diogo de Faria, 1036 | Vila Clementino
Cep: 04037-003 | Telefone: (11) 5549-7032