Notícias

AMEs Idoso alertam para campanha de conscientização de violência contra a pessoa idosa

AMEs Idoso alertam para campanha de conscientização de violência contra a pessoa idosa

Número de denúncias de violações contra idosos aumentou 13% em 2018

O dia 15 de junho marca o Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa, uma data importante para abordar um assunto delicado devido a inúmeros tabus e situações de vulnerabilidade de idosos.

Dados do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos mostram que foram registradas mais de 37 mil denúncias de abusos contra pessoas idosas em 2018, o que representa um aumento de 13% em relação ao ano anterior. O levantamento mostra que as mulheres estão mais suscetíveis à violência. Em 62,6% dos casos elas foram as vítimas e os homens, em 32%. Em 5,1% dos registros, o gênero da vítima não foi informado.  

O balanço informa que 52,9% dos casos de violência foram cometidos pelos filhos, seguidos de netos (7,8%). Entre os registros mais constatados estão negligência (38%), violência psicológica (26,5%), abuso financeiro e econômico (19,9%) e violência física (12,6%).

Em 2017 o número de brasileiros com mais de 60 anos superou os 30 milhões. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2031 a quantidade de idosos vai superar a de crianças e adolescentes de até 14 anos.

Para conscientizar e educar os colaboradores sobre o assunto, o Ambulatório Médico de Especialidades (AME) Idoso Sudeste, unidade da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo gerida em parceria com a SPDM – Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina, promoveu uma palestra com o tema “Violência contra o Idoso: por que notificar”, com o médico Nelson Cremonese, representante da Supervisão de Vigilância em Saúde Vila Mariana/Jabaquara da Secretaria de Saúde do Município de São Paulo.

A unidade preparou também materiais informativos para uso interno, abordando o tema que será trabalhado ao longo do mês em alguns grupos. “Campanhas de conscientização ajudam a alertar tanto colaboradores como a população sobre este assunto que é tão pouco discutido. Cabe à família, à sociedade e ao Estado garantir o bem-estar do idoso”, explica Marcia Maiumi Fukujima, diretora do AME.

Em parceria com o AME Idoso Oeste, que vai promover palestras com assistentes sociais e um defensor público, outros equipamentos estaduais especializados no atendimento ao idoso e a área técnica de saúde do idoso da Secretaria de Estado da Saúde, o AME Idoso Sudeste participou também da elaboração do I Seminário de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa – Quebrando o Ciclo do Silêncio. O evento aconteceu no dia 11 e abordou o papel do Estado, da família e da sociedade no tema.

A violência contra a pessoa idosa pode ser visível ou invisível e de diversos tipos:

  • Física: uso da força física para obrigar os idosos a fazerem o que não desejam, ferindo-os, provocando-lhes dor, incapacidade ou morte.
  • Psicológica/emocional: agressões verbais ou gestuais com o objetivo de aterrorizar os idosos, humilhá-los, restringir sua liberdade ou isolá-los do convívio social.
  • Financeira/material: exploração imprópria ou ilegal dos idosos ou uso não consentido de seus recursos financeiros e patrimoniais.
  • Sexual: ato ou jogo sexual homo ou heterorrelacional, utilizando pessoas idosas. Visa obter excitação, relação sexual ou práticas eróticas por meio de aliciamento, violência física ou ameaças.
  • Negligência: recusa ou omissão de cuidados devidos e necessários aos idosos por parte dos responsáveis familiares ou institucionais.
  • Autonegligência: conduta de uma pessoa idosa que ameace a sua própria saúde ou segurança, pela recusa ou pelo fracasso de prover a si próprio o cuidado adequado.
  • Abandono: ausência ou deserção dos responsáveis governamentais, institucionais ou familiares de prestarem socorro a um idoso que necessite proteção.

 

A diretora do AME Idoso Sudeste lembra que os profissionais devem acolher as vítimas de violência e notificar a vigilância sanitária, para que diretrizes e políticas públicas possam ser desenvolvidas. “As vítimas sofrem muito para tomar a decisão de denunciar porque convivem com os agressores e têm medo de represálias ou piora da situação. Por isso, a atuação integrada de serviços de saúde com os de assistência social é importante”, explica Marcia Maiumi.

Denúncias

Através do Disque 100, a Secretaria de Direitos Humanos recebe queixas e monitora situações de maus-tratos aos idosos. Mas é preciso ressaltar que denúncias devem ser feitas também nas delegacias, para que medidas imediatas possam ser tomadas. 

 466
(0 votos)
   
   

logo IBROSS
  Filiada ao Instituto Brasileiro das
  Organizações Sociais de Saúde (IBROSS)

Contato | Newsletter

Rua Dr. Diogo de Faria, 1036 | Vila Clementino
Cep: 04037-003 | Telefone: (11) 5549-7032